Bnda Gástrica Ajustável (BGA)

Banda Gástrica Ajustável (BGA):

 
O tratamento cirúrgico da obesidade, também conhecido como Cirurgia Bariátrica, esta baseado fundamentalmente em três modalidades técnicas:
*Restritivas: visam diminuir a capacidade volumétrica do estômago;
*Desabsortivas: objetivam atingir a perda de peso pela incapacidade do intestino de absorver os nutrientes;
*Mistas: associação das duas modalidades anteriores.
O sistema de banda gástrica ajustável (BGA) é uma alternativa cirúrgica, minimamente invasiva, não radical, para o tratamento da obesidade.
É uma operação realizada por vídeo laparoscopia (5 pequenos orifícios) na qual se coloca uma banda (cinto) de silicone em volta do estômago formando uma “ampulheta”, diminuindo a capacidade do estômago receber alimentos para cerca de 20 ml por vez. Esta banda tem um balão conectado por meio de um tubo à um portal no subcutâneo do abdômen, que permite insuflar e desinsuflar a banda, modulando o quanto o paciente pode comer.
 
O ESTÔMAGO TEM UM AMBIENTE MUITO ÁCIDO. COMO UMA BACTÉRIA CONSEGUE VIVER NESTE LOCAL?
A característica desenvolvida pela bactéria para enfrentar este ambiente é a habilidade para produzir grandes quantidades de uma enzima denominada urease. Esta enzima transforma a uréia livre que existe no suco gástrico em amônia e dióxido de carbono, que são básicos. Uma névoa de amônia neutraliza, então, o ácido, protegendo a bactéria do seu ataque na luz do estômago. Devido à sua forma espiral e a presença de flagelos o H. pylori tem grande mobilidade em soluções viscosas. A motilidade ativa provavelmente promove a sua rápida penetração na camada de muco que recobre as células do estômago antes de atingir o ambiente neutro que recobre a superfície do epitélio gástrico. Neste local, denominado "paraíso seguro", ele está protegido dos efeitos deletérios do ácido gástrico.
 
QUEM DEVE SER OPERADO?
Pacientes obesos moderados (IMC entre 35 e 40) que possuem outras doenças relacionadas a obesidade (diabetes, doenças cardio e cerebrovascular, alterações da coagulação, doenças articulares, câncer de diversos locais, cirrose hepática, apnéia do sono, etc.) e não obtiveram sucesso com um programa de perda de peso apenas.
Pacientes obesos severos (obesidade mórbida – IMC maior que 40).
Pacientes que avaliados por médico experiente em matéria de tratamento de obesidade tenham pequena probabilidade de sucesso com medidas não cirúrgicas.
 
COMO FUNCIONA A BGA?
Essa é uma operação para tratamento da obesidade do tipo restritiva aonde o alimento que chega ao estômago distende a pequena câmara gástrica formada com a operação e induz uma plenitude ou saciedade com pequenas quantidades.
Funciona, a grosso modo, basicamente como um funil.
O alimento passa lentamente para o resto do estômago onde se processa a digestão. A restrição é dada pela pequena câmara gástrica que se distender além do seu limite o paciente sentirá mal-estar, podendo vomitar.
Nessa operação apenas o excesso de comida ingerido é barrado, líquido passam livremente pela pequena câmara gástrica, portanto se o paciente persistir ou passar a ingerir líquidos hipercalóricos a operação não vai conduzir a uma efetiva perda de peso.
 
COMO É O PÓS-OPERATÓRIO?
A maioria dos pacientes tem alta hospitalar no mesmo dia ou no dia seguinte.
Durante os primeiros 30 dias a dieta é líquida e após isso vai-se aumentando de modo gradual a variedade e quantidade.
A volta completa das atividades se dá em torno de 1 semana.
 
QUAIS SÃO OS RESULTADOS NA PERDA DE PESO?
A BAG resulta numa perda média de cerca de 50 a 60 % do excesso de peso. Por exemplo, um paciente com 140 Kg, 1,70 m e IMC de 48, tem cerca de 65 Kg de excesso de peso e deve perder cerca de 40 a 50 Kg após a operação.
 
QUAIS SÃO OS RISCOS DESSA OPERAÇÃO?
A literatura internacional descreve até 10 % de complicações e uma taxa de mortalidade abaixo de 1 %.
 
A OPERAÇÃO É DEFINITIVA ? QUANTO TEMPO DURA A BAG?
A operação é definitiva e a duração da BAG não tem limite definido, porém em caso de desejo imperioso do paciente ou de alguma complicação, a mesma pode ser retirada através de procedimento semelhante ao da colocação.
Com certeza o seu médico é a pessoa mais adequada para discutir e esclarecer todas suas dúvidas e expectativas, avaliando os benefícios e os riscos da colocação da Banda Gástrica ajustável.