Esofagite

Refluxo gastro-esofágico ou Esofagite de Refluxo ou DRGE:

 
O QUE É ESOFAGITE DE REFLUXO?
O esôfago é um tubo muscular, de aproximadamente 25 centímetros, que conecta a garganta ao estômago, passando por dentro do tórax e com isso se relacionando com vários outros órgãos importantes como coração e pulmões.
Em pessoas sadias, o esôfago tem, basicamente, as funções de:
1) Impedir a deglutição de ar;
2) Evitar que haja volta dos alimentos e do ácido e bile presentes no estômago e a conseqüente entrada nas vias aéreas;
3) Empurrar os alimentos até o estômago.
Estas funções são desempenhadas através da combinação de uma série de mecanismos. Na Doença do Refluxo Gastro-Esofágico (DRGE), os mecanismos de funcionamento do esôfago encontram-se alterados. Essa doença se manifesta através da chamada esofagite de refluxo (inflamação da porção mais baixa do esôfago).
 
COMO ACONTECE?
Sua ocorrência é mais comum na quinta e sexta décadas de vida, sendo causa de importante queda na qualidade de vida. A principal causa é a hérnia de hiato (deslizamento para o interior do tórax de parte do estômago e da porção final do esôfago, que normalmente já está no interior do abdome). Contudo, há outros fatores que podem causar a esofagite de refluxo, tais como:
* obesidade;
* gravidez;
* vômitos freqüentes;
* esclerodermia;
* doenças que dificultam o esvaziamento gástrico (diabetes, úlcera
péptica); * uso prolongado de sondas naso-gástricas;
* efeito colateral de alguns medicamentos.
 
QUAIS OS SINTOMAS?
O sintoma mais comum é a azia (pirose). Pode surgir quando a pessoa se deita, após as refeições, verificando-se alívio ao sentar-se. Podem ser observadas ainda, com menor freqüência:
* sensação de entalamento;
* dor no momento da deglutição;
* vômitos;
* dor torácica;
* tosse crônica;
* asma;
* laringite;
* pneumonia;
* salivação excessiva.
A azia, sintoma mais comum, pode ser severa e normalmente acontecem 30 a 60 minutos após as refeições. A dor pode irradiar-se para o pescoço, mandíbula, braços e para as costas.
 
SINTOMAS E COMPLICAÇÕES
A pedra na vesícula pode ocasionar sintomas intensos e graves, sendo os mais comuns: - Dor intensa no abdômen (barriga) – no lado direito ou “na boca do estômago”. Esta dor geralmente dura de 30 minutos a 2 horas, mas quando for mais prolongada pode indicar que esta ocorrendo uma complicação.
- Náuseas (enjôo) e vômitos.
- Inflamação ou infecção da vesícula.
- Icterícia (amarelão).
- Febre.
- Pancreatite aguda.
A maioria dos pacientes que tem pedra na vesícula nunca teve sintomas. Não existem dados médicos que permitam determinar quais pacientes terão sintomas. Entretanto, quando o paciente apresenta um dos sintomas acima citados, a possibilidade de repetir o mesmo sintoma ou apresentar uma complicação é muito grande. Assim, nesta situação é importante procurar tratamento.
A possibilidade de uma pessoa apresentar sintomas ou complicações independe do número ou do tamanho das pedras. Às vezes, apenas uma pedra pequena pode ocasionar complicações muito graves, como pancreatite aguda.
 
COMO É DIAGNOSTICADO?
O médico irá rever os sintomas e fará um exame físico. Em seguida, poderá solicitar alguns dos seguintes exames:
* teste para monitorar a acidez de esôfago (phmetria de 24 horas);
* radiografia contrastada do esôfago;
* endoscopia digestiva alta;
* manometria do esôfago.
 
COMO É TRATADO?
O tratamento pode ser feito clinicamente, com medicamentos e orientações gerais inclusive dietéticas, ou através de operação. A operação, cuja indicação já foi muito restrita, hoje em dia, em razão de avanços recentes nessa área (operação vídeo-laparoscópica), proporciona excelentes resultados com um trauma mínimo e conseqüentemente rápida recuperação. Cabe ao médico informar ao paciente qual a melhor opção para eliminar os sintomas sem complicações.